segunda-feira, 15 de outubro de 2012

A Censura da Direita Conservadora



Mais uma vez, meu post sobre misoginia foi adiado. Aconteceu algo bastante peculiar entretanto, eu garanto.

Na última sexta, dia das crianças, eu estava navegando na net e topei com um tweet de Silas Malafaia sobre um tal texto de Reinaldo Azevedo. Fiquei curiosa e resolvi ler. 

Bem, o texto era um apanhado de crenças conservadoras. Eu sempre fico surpresa quando leio um texto de alguém de direita, porque esse pessoal acredita numas coisas muito estranhas, em geral parece até piada.

Aquela mulher mais rica do mundo mesmo, uma australiana que fez uma declaração há alguns dias... Gina Rinehart é o nome dela. Ela herdou um império do pai dela, mesmo assim se acha no direito de insinuar que quem quer ganhar dinheiro deveria trabalhar mais. Puxa, o que ela sabe sobre fazer riqueza do nada se ela já nasceu rica? Ela realmente acha que pessoas pobres têm preguiça de trabalhar? E não é só isso... Ela quer que o governo reduza o salário mínimo e os impostos das grandes empresas (como as dela), o que possibilitaria uma maior oferta de empregos.

Sim, e muito mais lucro pra ela, né? E pessoas que já são pobres trabalhando mais e ganhando menos, tendo menos poder de compra, menos tempo pra lazer, menos qualidade de vida. Enquanto ela continua com a consciência dela tranquila, porque, afinal, ela é bilionária, mas cria empregos. E os empregados dela só não ficam ricos porque são preguiçosos.

Será que é sempre essa a ideologia de quem vota na direita? Não sei. Nunca fiz nenhum estudo a respeito, mas posso falar por experiência pessoal que a maioria de meus amigos de direita nunca precisaram de assistência, pois já nasceram em famílias com situação financeira razoável.    

Em geral, pessoas pobres que votam na direita são pouco (ou nada) politizadas. Não entendem bem porque escolhem um ou outro candidato. Mas não votam em "comunistas" porque não querem perder o direito à pouca propriedade privada que têm. Acreditam numa suposta ameaça à democracia e confundem ditadura com esquerda, quando na verdade, o Brasil viveu uma ditadura de direita durante o terrível governo militar.

Contudo, certamente não é por acaso que na capital paulista o candidato José Serra conte com mais votos nos bairros mais ricos, enquanto Fernando Haddad seja mais popular na periferia. Os governos de direita têm uma tradição de manter as coisas confortáveis para os mais ricos, com pouco ou nenhum investimento em políticas sociais. Os ricos gostam disso porque não querem ver o dinheiro que pagam em impostos sendo investido em políticas que não os beneficiam.

Falando de São Paulo especificamente, o que os mais ricos querem é lugar pra andarem com seus carros. Transporte público pra quê? Eles não usam. Então eles ficam felizes quando o governo investe uma fortuna numa obra paliativa de alargamento da Marginal do Tietê. Porque aí eles pegam menos congestionamento e ganham mais tempo.

Mas não é só por causa do destino dado ao dinheiro público que os conservadores temem os governos de esquerda. Acontece que a esquerda tem um histórico de reconhecer minorias. Sim, dizer em alto e bom tom que negros, mulheres, homossexuais enfrentam dificuldades maiores na condução de suas vidas e procurar formas de conceder direitos iguais.

A direita não gosta disso. A direita se sustenta sobre a crença de que todos nós somos iguais por natureza e temos condições de chegar onde quer que desejemos por nosso mérito. É a chamada meritocracia. E assim, seus adeptos não precisam sentir culpa porque a maioria dos alunos nas melhores universidades são brancos, nem porque a maioria das crianças abandonadas são negras, nem porque a maioria dos cargos de poder são ocupados por homens e assim por diante.   

Normalmente, a ideologia política de direita carrega em si uma série de valores. São os chamados valores tradicionais da família. Por aí vem um certo desprezo pela homossexualidade e por mães solteiras, porque levam a representações de famílias não tradicionais. Aparece também a recusa em aceitar a legalização do aborto. Só que, ao mesmo tempo, ninguém quer que dinheiro público seja investido na construção de creches ou orfanatos. E também não aceitam a criação de leis que criminalizem a discriminação por gênero e orientação sexual, porque eles querem o direito garantido de discriminar à vontade. Como a direita acredita que a segurança deve ser obtida através da manutenção da ordem ("Eu vou colocar a Rota na rua!"), também costuma ser a favor de truculência policial, prisão perpétua e pena capital. Mas sem levar em consideração que um delinquente pode ser fruto de uma gravidez indesejada cuja mãe não pôde fazer o aborto e o abandonou, pois não achou creche para deixá-lo enquanto ia trabalhar. E assim, a direita permanece na manutenção dum ciclo vicioso no qual os ricos continuam ricos, os pobre continuam pobres e os ricos continuam com medo dos pobres. Medo de assalto, medo de greve, medo de revolução...

Após essa longa introdução, voltemos ao início. O acontecimento que me fez embarcar nessa viagem política foi um texto extremamente conservador. O texto em questão, escrito por Reinaldo Azevedo, defende o direito de líderes religiosos como Silas Malafaia orientarem seus fieis no que se refere à votação. Ele alega que esse direito faz parte do princípio de laicidade do estado. Menciona algumas coisas contra o PT, envenena contra a legalização do aborto, enfim, contra o progressismo da esquerda.    



Meu comentário não foi nada ofensivo ao autor do texto. Eu só apontava as incoerências ideológicas ali presentes. Afinal, a laicidade do estado justamente não permite que as decisões sejam tomadas em nome das convicções de uma minoria. Falei que nosso estado justamente não é laico porque o setor evangélico não permite a discussão de uma questão de saúde pública como o aborto. Também falei que não era uma atitude laica utilizar valores religiosos a fim de induzir votos. 
 A igreja católica costuma induzir seus fieis a não votarem na esquerda utilizando argumentos religiosos, e isso não é uma atitude laica nem de longe. Estranho, porque a esquerda sempre aposta na ideia de ajudar os mais pobres, e isso costuma ser estimulado por religiões. No entanto, tantas religiões cristãs aparecem com um discurso anti esquerda. Por que será, né?     


 
Eu não escrevi nada demais, mas o cara me censurou.
Sim. Um homem com mais de 50 anos, que escreveu pra Veja por muito tempo, cujo blog recebe cerca de 150 mil visitas diárias não consegue lidar com uma opinião diferente da dele. E pior, que opinião? Uma jovem escritora idealista, ilustre desconhecida, tem o poder de intimidá-lo a tal ponto. É até engraçado, né? Pois é.


Esses prints foram feitos por minha amiga Rita Candeu a fim de provar que Reinaldo Azevedo não aprova comentários discordantes. Pelas imagens, é possível perceber que ele sistematicamente edita esses comentários.

Ele conduz o processo de forma bastante agressiva. No lugar de meu comentário, ele escreveu uma mensagem simbólica que o coloca como um veneno e minha opinião como uma barata cascuda que foi eliminada por ele. Sejamos francos(as), toda a atitude dele é absurdamente infantil e insegura. Em primeiro lugar, minha opinião não vai morrer com o "veneno" dele. Em segundo lugar, fazer uma censura tão ridícula só mostra para o mundo o quão intolerante ele é. E agora que já sei disso, não vou mais perder meu tempo prestigiando o blog dele. Porque qualquer visita a um blog significa que alguém empregou seu tempo em sua leitura. Talvez ele nem se importe mais porque tanta gente lê o que ele escreve. Mas eu constumo publicar comentários contrários desde que não sejam anônimos e ofensivos. Porque acredito no direito a liberdade de expressão e porque tenho respeito por meus leitores.  


http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/vigarice-intelectual-teu-nome-e-marilena-chaui-ou-falou-a-carminha-do-lixao-etico-do-petismo/#comment-2346497

7 comentários:

  1. Bravo!!!!!

    muito bem colocado

    bjsssssssssssssssssssssssssssssssss

    ResponderExcluir
  2. na cascudissima !!!!

    e agora foi no Reinaldinho rsrsrsrs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Rita!!!

      Aqui o pessoal vai conseguir ler seus comentários antes da censura! rs :)

      Excluir
  3. Felizmente me livrei de ler Veja há muitos anos. :) Beijos.

    ResponderExcluir
  4. PattyXXXXXXX na cascudinha? HUEHUEHUEHUEHUEHUAHUAHEUHEUHEUHAU

    Antes fosse simplesmente não aceitar o comentário. Acho que nem ele se leva a sério.

    ResponderExcluir
  5. Pensamentos típicos de direita, me dão coceira! Se eu ler os comentaristas do site da revista Veja tenho um ataque alérgico e fico sem pele!!!

    ResponderExcluir

Eu me reservo o direito de não responder perguntas cuja resposta esteja no próprio post. Comentários imbecis e sem embasamento estão sujeitos a ridicularização. Comente por sua conta e risco. Obrigada!