sexta-feira, 8 de março de 2013

Feminicídio: Crime comum?



Não é segredo que nossa sociedade não tem legislação específica para crimes de ódio. Quando uma pessoa é morta por fazer parte de um grupo historicamente oprimido, os(as) assassinos(as) são acusados(as) de homicídio simplesmente, sendo completamente ignorada a motivação do crime.

Feminicídio ou femicídio é o assassinato de uma menina ou mulher POR ela ser do gênero feminino, ou seja, o assassino tem "raiva" dela por alguma questão relacionada a sua feminilidade. Ontem, o famigerado goleiro Bruno foi finalmente condenado. Em julgamento, ele confessou o que foi feito com a mãe de um filho dele. Eliza foi assassinada de forma cruel e sem chance de defesa por ter tentado cobrar dele os direitos legais de seu filho. Eliza foi vítima de um feminicídio. O corpo dela foi esquartejado e dado para cães comerem.

Entregar um corpo para que animais se alimentem dele tem um forte significado simbólico. Claro que, na prática, é uma tentativa de praticar um crime perfeito: "Não há corpo, logo não há assassinato". Mas no âmago, implica um ódio muito grande.

O cadáver é sagrado em nossa cultura. É peça fundamental para os ritos de luto. Esquartejar um corpo é uma violação, transformá-lo em alimento para animais é sugerir que aquela pessoa não significa nada. É preciso ter um desprezo muito grande pela vítima para se chegar a tal ato sem qualquer remorso.

Fiquei profundamente surpresa ao ler numa página do portal UOL que o time Boa estava considerando contratar Bruno caso ele fosse inocentado. É preciso muita coragem para contratar um autor de um crime tão hediondo, com características de psicopatia. Mas o pior é que a matéria sequer mencionava os crimes dele, e, na lateral direita da tela, apareciam fotos de uma sessão chamada Belas da Torcida. Eram fotos de partes do corpo feminino, nunca aparecia uma moça inteira: seios num decote ousado, bunda com um fio dental...

Partes do corpo feminino adornando uma matéria sobre um feminicida que mandou esquartejar o corpo da mãe de um filho seu. Talvez isso explique porque em nenhum momento o texto condenou ou questionou o interesse do Boa em contratá-lo. Talvez, inconscientemente, esquartejar mulheres já faça parte de vários processos simbólicos de nossa sociedade.

No final do ano passado, foi banida do Facebook uma foto que mostrava o corpo de uma mulher cortado ao meio. A proposta da postagem original numa revista australiana era perguntar aos leitores da revista (homens) qual a parte preferida. Lendo os comentários, é fácil perceber o quanto a publicação de tal conteúdo valida o discurso misógino do público.

Todos esses exemplos estabelecem uma relação cultural muito grave. O corpo feminino é tão objetificado, que retalhá-lo em várias partes, seja simbólica ou literalmente, não rende uma sanção social. Mesmo sofrendo um julgamento legal, Bruno ainda contou com o apoio de homens que o admiravam como jogador de futebol. É como se homens tivessem o direito de dispor do corpo feminino da forma que lhes convêm, e, caso a mulher engravide após ele ter transado com ela sem preservativo, ele se acha no direito de destruí-la para não assumir as consequências financeiras de seus atos.

Nosso sistema jurídico não discute a possibilidade do criminoso ser psicopata e ainda permite que um homicida deixe a cadeia após ter cumprido apenas um terço da pena. Não existe nenhum tipo de agravante para feminicídios, embora aconteçam diariamente no país cerca de dezesseis crimes do tipo. Assim, nossa sociedade segue validando de forma velada a constante destruição do feminino, ignorando diariamente a necessidade de criminalizar a discriminação por gênero e de tipificar o feminicídio. 
 
 

Um comentário:

  1. As vezes as pessoas ao cometerem uma cag@da, mergulham numa fossa cheia tentando se limpar ou ocultar o que fizeram. Há muitas coisas a serem aprendidas nesse caso: Quanto custa uma camisinha?
    Ela sabia do risco que corria ao fazer sexo desprotegido ou foi intencional? Há inveja do amigo pelo fato de ele não poder engravidar dele, Bruno? Qual o motivo que levou o Bola a estrangula-la e dar parte aos cães?
    Há muito mais que um crime hediondo e de ódio neste caso. Há muitos culpados e poucos julgados, e menos ainda condenados e os que foram, receberam penas brandas. Muito há para aprender, mas até onde isto realmente ensinará a sociedade como um todo?

    ResponderExcluir

Eu me reservo o direito de não responder perguntas cuja resposta esteja no próprio post. Comentários imbecis e sem embasamento estão sujeitos a ridicularização. Comente por sua conta e risco. Obrigada!