quinta-feira, 9 de maio de 2013

Sequestro de mulheres e a desumanização das vítimas

Quando se fala em sequestro, a primeira ideia que vem à cabeça da maioria das pessoas é de uma família recebendo uma ligação de um criminoso ameaçando matar a vítima caso o resgate não seja pago. Esse é apenas um dos tipos de sequestro, acredito que seja o mais comum e, por incrível que pareça, o menos cruel.

Menos cruel porque a outra possibilidade é que a pessoa tenha sido sequestrada para ser traficada. E ser traficada é, sem dúvida, a pior coisa depois da morte que pode acontecer com alguém. E claro, a maioria das vítimas desse tipo de crime são mulheres.

As vítimas traficadas são sempre tratadas como animais, porque são destituídas de seu direito de escolha, portanto desumanizadas. Mulheres podem ser usadas como "barriga de aluguel", ter seus óvulos extraídos, ser obrigadas a fazer trabalho doméstico. Muitas vítimas são obrigadas a se prostituir, o que na prática é um estupro sistemático. Mas o tipo mais assustador de sequestro acontece quando a vítima é trancada num quarto e vira brinquedo particular do sequestrador. Última terça, veio à tona mais um caso desse tipo.   

É um crime absurdamente hediondo. Um homem decide pegar garotas na rua e levá-las pra casa dele, onde as mantêm como animais, acorrentadas num quarto, onde ele vai toda vez que deseja encontrar satisfação sexual.

É claro que elas engravidam várias vezes, mas elas não engravidam sozinhas. Elas engravidam porque são sistematicamente estupradas pelo desgraçado, como a personagem do livro O Fã-Clube. Fico possessa com a Globo falando que uma das vítimas teve uma filha no cativeiro sem usar a palavra estupro nenhuma vez. É muita falta de empatia achar que uma garota mantida em cativeiro por dez anos vai transar com o sequestrador, ou com qualquer outro homem que seja levado até ela, por vontade própria.

E foram espancadas, passaram fome, passaram por gestações e abortos sem qualquer assistência médica. Sei que é horrível pensar nisso, pois para mim é bastante doloroso. Mas é preciso pensar nisso para que mudemos as estruturas sociais que propiciam o acontecimento de coisas assim. Pensa bem, para um cara pensar que pegar uma garota e transformá-la em escrava sexual dele pode ser algo legal, é porque mulher pra ele não é ser humano. Soa familiar?

Camiseta a venda nas Pernambucanas do Shopping Internacional em 08/05/2013
Sei que este deve ser um de meus posts mais pessimistas. Mas a questão é que não é um crime raro. Não estamos falando de uma fatalidade. Todas nós corremos risco de parar numa situração como essa. Isso não é obra de um patológico raro, como minha ex-analista diria. Isso é obra de toda uma cultura de desumanização das mulheres, isso é consequência de um sistema que coloca mulheres como coisas bonitas, coisas que homens podem ter comprando ou roubando. E eu estou sempre avisando o quanto essa misoginia estrutural é prejudicial para a sociedade como um todo.

Não estou discutindo que esses criminosos sejam psicopatas, ou pelo menos perversos. É claro que eles têm algum problema. A questão é por que esse tipo de mente escolhe cometer esse tipo de crime, e por que a maioria de suas vítimas são meninas e mulheres?

Eu não tenho nenhum registro de caso em que uma mulher tenha roubado um rapaz e o mantido em cativeiro para satisfação sexual dela. Mas já ouvi vários com esse mesmo padrão em que uma adolescente, às vezes até pré-adolescente, é raptada e mantida num cativeiro por décadas. Tem aquele caso em que um homem fez isso com a própria filha na Áustria, teve aquele elemento que se suicidou quando a menina fugiu na Suécia, tem aquele sujeito na Bélgica que fez isso com várias garotas, algumas delas até morreram de fome no porão dele! Repare que na matéria citada, o criminoso é chamado de "pedófilo" e não de "misógino", que é a descrição mais apropriada. E apesar de a Globo ter citado vários casos na matéria, em nenhum momento foi dito que TODAS as vítimas eram mulheres.

Não é só uma dificuldade de ver misoginia, mas de ver psicopatia também. Pessoas que cometem crimes assim não podem se reintegradas à sociedade nunca. Não é lugar para elas, pois elas não se arrependem, não aprendem, não sentem remorso, culpa, ou empatia. O que percebo é que esse tipo de crime tem um fundo social porque é muito difícil que um misógino sinta empatia por mulheres. Conheci homens que tinham mais respeito por seus cães que por mulheres. E sempre topo com casos em que homens trataram mulheres como cães.

Um comentário:

  1. perfeito em todos os sentidos sua abordagem
    só me resta assinar em baixo de cada letra

    bjssss

    ResponderExcluir

Eu me reservo o direito de não responder perguntas cuja resposta esteja no próprio post. Comentários imbecis e sem embasamento estão sujeitos a ridicularização. Comente por sua conta e risco. Obrigada!