domingo, 16 de março de 2014

Fugindo da/o gastro

Gastroenterologia é a especialidade médica que procuramos quando temos problemas no aparelho digestivo, o que inclui o estômago e os intestinos. As pessoas fogem da/o gastroenterologista basicamente por dois motivos: endoscopia e colonoscopia.

Pela endoscopia eu não passei, mas passei recentemente por uma colonoscopia e gostaria de compartilhar minha experiência.

Colonoscópio
Resumidamente, a colonoscopia é um exame no qual uma espécie de sonda chamada colonoscópio é introduzida no ânus a fim de se examinar várias partes do intestino grosso, principalmente o cólon. A colonoscopia é especialmente indicada para se verificar a presença de inflamações e pólipos (que podem se tornar tumores) no intestino grosso.  

Claro que para fazer o exame é preciso que o intestino grosso fique vazio. Como é impossível que uma pessoa passe três dias sem comer, é preciso abrir mão do que leva mais tempo de digestão e tomar laxantes fortes.


Uma vez na adolescência, quando fui tirar sangue, eu disse para a enfermeira que tinha medo. Ela respondeu: "Minha filha, quem não tem medo?".

Digo o mesmo agora. Quem não tem medo de se submeter a um exame no qual uma sonda será introduzida em seu ânus? Há constrangimento porque uma parte íntima do corpo fica exposta, medo de sentir dor, ansiedade devido à sedação... E o preparo? Três dias sem comer carne e verduras... Laxativos fortes, desidratação, fome, náusea... E o termo de consentimento no qual assumimos o risco de perfuração intestinal? O coração querendo sair pela boca e eu assinando aquilo...

Só que tudo isso acontece num período de apenas três dias da vida de uma pessoa. É um exame que vai trazer um mega alívio para aquela terrível pergunta: "Será que é câncer?".

Duma coisa eu tenho certeza: por mais desagradável que o exame seja, o tratamento de câncer é muito mais. A quimioterapia é aplicada por injeção semana sim, semana não, e sempre tem efeitos colaterais desagradáveis. Não é só a queda dos cabelos, mas náuseas que derrubam a pessoa. E o pior é que é preciso trocar os fármacos sempre porque eles vão perdendo a eficácia contra as células neoplásicas.  

Quanto a minha experiência? Bem, eu não me lembro de nada depois da sedação. Amnésia é um dos efeitos colaterais do sedativo injetado (creio que tenha sido Midazolam), de modo que perdi tudo (ou quase tudo) que aconteceu até que acordei em casa após uma soneca de umas três horas. Tenho alguns flashes de quando reclamei da sede, de ter tido soluços (outro efeito colateral do sedativo), de quando finalmente jantei... O que me ajuda a montar o quebra-cabeça são as mensagens que mandei pras amigas no período logo após o exame.

Mas por mais chato que seja ser sedada, ainda é melhor contar com esse conforto na hora do exame. O importante é levar umas duas pessoas de confiança (os laboratórios pedem apenas uma, mas acho melhor duas) para poder relaxar e ter a certeza de que chegará em casa bem. E, por favor, pare de fugir das consultas! Vá checar logo esses sintomas. Não é normal ter dor. Tenha especial atenção com sintomas  como azia, gases, intestino preso, fezes escuras, dores na barriga, náuseas, intolerância a alimentos...  

Dicas

Na antevéspera do exame ainda é possível sair de casa. Não se pode comer carne vermelha nem verduras. É melhor optar por carne branca, arroz, batata ou macarrão e dar preferência para legumes cozidos. Também é bom evitar pão integral. Durante todo o preparo é melhor optar por pão branco.

Na véspera já é difícil sair de casa porque é preciso tomar duas doses fortes de laxante, uma de manhã e uma no final da tarde. Nesse dia a alimentação recomendada é sopa de legumes batida no liquidificador, mas eu optei por macarrão a alho e óleo, purê de batata e legumes cozidos. Já não se pode comer nenhum tipo de carne nem grãos, então é um dia mais difícil.

No dia é preciso fazer um intenso esvaziamento do intestino. O laboratório no qual fiz o exame, opta pela recomendação dum laxativo dissolvido em dois litros de água. Como eu não poderia beber nem comer mais nada ao longo do dia, resolvi dissolver o remédio num isotônico (tipo Gatorade) para manter um certo nível de hidratação. Não preparei dois litros, e, de fato, foi difícil ingerir os 800ml que havia misturado. Isso porque comecei a sentir náusea, precisei até tomar Plasil.

Como a mucosa da região anal é bastante delicada, eu recomendo a utilização de pomadas para proteger a pele. As mais apropriadas são a Bepantol (similar Cicatenol mais barata) e a Hipoglós (similar Adederme mais barata). Não tenha vergonha de aplicar logo depois de todas as idas ao banheiro. É um cuidado que evita assaduras muito desconfortáveis. Aplique também depois do exame, pois é grande a chance de haver leves fissuras.

Durante o exame, são injetadas pequenas quantidades de ar nos intestinos. É claro que depois isso traz o desconforto dos gases. Caminhar na noite do exame é complicado, pois os efeitos do sedativo ainda não passaram. Uma solução para aliviar o desconforto é tomar Simeticona e Buscopan.  

Eu recomendo levar duas pessoas porque não podemos ficar sem acompanhante em hipótese alguma no estado de sedação em que saímos do exame. Pode ser preciso buscar o carro, por exemplo, pois não estamos com condições de andar sem auxílio. Ter duas pessoas garante um melhor cuidado.     
   

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Eu me reservo o direito de não responder perguntas cuja resposta esteja no próprio post. Comentários imbecis e sem embasamento estão sujeitos a ridicularização. Comente por sua conta e risco. Obrigada!