domingo, 13 de julho de 2014

Um tapinha não dói e um certo filme erótico brasileiro (18+)

Tapas são usados para apimentar relações sexuais numa prática conhecida como spanking em BDSM. Em geral funciona por combinar dor (em diferentes níveis de intensidade) e humilhação, componentes excitantes para pessoas que apreciam papéis submissos no ato sexual. 

Um outro ponto que quase ninguém tem coragem de falar é que frequentemente aparece um componente infantilizador no processo. Eu já conheci uma sub goreana que curtia apanhar de cinto porque havia apanhado assim de seu pai durante a infância, então ela experimentava uma satisfação incestuosa.

Não é à toa que a imagem de meninas em idade escolar sofrendo spanking é tão explorada pela indústria de entretenimento adulto. Em 1919, Freud escreveu sobre fantasias sexuais infantis que envolviam cenas de spanking. "Uma Criança é Espancada: uma contribuição ao estudo da origem das perversões sexuais" discorre sobre as fantasias de espancamento que crianças têm, e o prazer que elas sentem apanhando ou vendo outras crianças apanhando. Uma cena sobre isso aparece no filme Dogville (2003), de Lars Von Trier.

O conceito de sexualidade infantil desenvolvido por Freud até hoje ainda é visto como um tabu por muitas pessoas. Mas o fato é que sexualidade existe e não é algo vergonhoso. É importante pontuar que a sexualidade das crianças está em processo de formação, diferente da sexualidade de pessoas adultas. 

As fases da sexualidade infantil:

• Fase oral (do nascimento aos dezoito meses)
• Fase anal (dos dezoito meses até aproximadamente três anos)
• Fase fálica e complexo de Édipo (dos três anos até aproximadamente sete anos)
• Período de latência (dos sete anos até a puberdade)
• Fase genital (da puberdade em diante)


Não é segredo que a utilização de castigos físicos ainda acontece na educação de crianças. No século XIX na Inglaterra era legal que homens batessem em suas esposas desde que a vara não tivesse espessura superior à de seu polegar. Isso refletia uma crença de que mulheres eram como crianças: precisavam ser educadas pelos maridos. Até hoje o termo "educar" é usado em BDSM para se referir ao processo de treinamento de escravos, e a origem é essa mesma.  
   
A lei conhecida como "lei da palmada", que visa proteger as crianças de castigos físicos e humilhantes, é uma tentativa do estado de intervir nisso. Não tem como deixar cada família decidir isso do mesmo jeito que não tem como deixar que cada homem decida se quer ou não bater na esposa. Não é certo bater em mulher e não é certo bater em criança, ponto final.


O pessoal que defende castigos físicos alega que eles são necessários para a formação do (bom) caráter das crianças. Na verdade, quando se bate em criança para que ela abandone um determinado comportamento, a lógica utilizada é a do adestramento e não da educação. A criança deixaria de se comportar de determinada maneira por ter medo de apanhar, e não por entender que o comportamento é incorreto. Trocando em miudinho, é tratar criança como animal. E já se sabe que é possível adestrar animais sem castigo.

A Xuxa foi um dos nomes mais fortes a lutar pela aprovação da lei. Com isso, ela se tornou alvo de ataques de grupos conservadores que tentam impedir uma mudança tão importante nos costumes. De forma bastante previsível, fizeram acusações infundadas de pedofilia contra ela, ainda com base num filme no qual ela trabalhou no início da carreira. 

Pra começo de conversa, o filme em que a Xuxa trabalhou em 1979 não é pornográfico. Trata-se de uma mistura de drama com erotismo com roteiro e direção assinados por , então se alguém tem algo contra a história, é com ele que deve reclamar. 

(Spoilers!!!) A Xuxa tinha 16 anos na época e ela faz uma prostituta menor na história. Sua personagem, Tamara, é uma infeliz adolescente catarinense cujo hímen é complacente e será entregue como "presente" para um político mineiro (tempos da República do Café com Leite). Além de fingir ser virgem, ela também deve fingir que não fala português, para que o político acredite estar com uma jovem alemã. 

Um menino de 12 anos, filho da prostituta () preferida dum político de São Paulo () está passando o fim de semana lá. Por um infortúnio do destino, a avó dele, ressentida por não ter recebido tanto dinheiro quanto desejava, o mandou de volta para sua mãe em datas que ela não poderia deixar o local. Ela não teve outra alternativa senão escondê-lo lá. 

Ao ver o garoto, Tamara resolve aliciá-lo. Mas não dá para chamar de pedofilia, porque ela era só quatro anos mais velha que ele, além de ainda ser menor de idade. É bom lembrar que a personagem de Xuxa não é a primeira a abusar do garoto. E no final ele faz sexo com a mãe dele. Até eu, que não sou de me chocar, fiquei boquiaberta quando vi a cena. E o pessoal quer encher o saco da Xuxa? Ah vá...

Outra coisa, o garoto não vê aquilo como abusos. Para ele, aquilo foi a iniciação sexual dele. E isso é uma fantasia masculina frequente. Uma vez um cara me contou que sua iniciação sexual havia sido aos 13 anos com sua tia de sangue. E ele dizia rindo que depois da primeira vez ficou querendo toda hora e chamando: "Oh, tia!".


O filme é um emaranhado de fantasias masculinas:

  • Ser o único homem num lugar cheio de mulheres que estão loucas para fazer sexo com ele; 
  • Imaginar que mulheres são insaciáveis e que prostitutas iriam querer iniciar um menino porque elas adoram transar;
  • Complexo de Édipo com a realização da cópula com a mãe;
  • Observar pessoas transando, inclusive a própria mãe, por frestas.

Mas também é um filme muito triste, que mostra um menino que é criado pela avó com o dinheiro da prostituição da mãe. Também vemos a violência que se comete contra mulheres, especialmente prostitutas. Tamara é agredida pelo personagem de , que a empurra e a xinga de rameira quando acredita estar sendo vigiado para ser chantageado depois.

Um monte de gente questiona o fato de Xuxa não querer a distribuição do filme, mas o fato é que o contrato assinado por ela e pela mãe dela (porque ela era menor) incluía apenas a projeção do filme em cinemas. E é compreensível que ela tenha topado fazer cenas eróticas pra ganhar um dinheirinho imaginando que aquilo ia só ficar um tempo no cinema e depois desaparecer. A produtora decidiu explorar a popularidade posterior de Xuxa de maneira oportunista. Mas, de qualquer forma, não há nada de errado no filme. E não é por ter trabalhado nele que ela não pode lutar pelo bem estar físico e psicológico de crianças. 

4 comentários:

  1. ótimo texto
    mais uma vez vc. sai do lugar comum e coloca sob outro ângulo

    e sobre a Xuxa
    os "conservadores" são assim, se não fosse esse arrumariam outro caso para detonar com a Xuxa

    ResponderExcluir
  2. Ao mesmo tempo cresciam os movimentos do tipo Tradição Família e Propriedade, qualquer pessoa poderia seguir, e pode ainda hoje, desde que agisse (mesmo que aparentemente) à risca do que a sociedade exigia. O resto eram desajustados que tinha seu papel, eram os artistas os que estravazavam a humanidade mais básica. Assim tudo era contido em ninchos controlados para que esses mesmo podersos pudessem, ao bel prazer e de maneira a não serem descobertos (me pergunto como esses filmes e toda a "liberdade" daquela época era permitida será que havia muitas trocas de favores?). O fato é que se formos honestos e nos colocarmos bem mais adiante no tempo e compararmos a moralidade atual (não a moralidade como algo castrador mas sim como era entendida pelos gregos) ela só vem caindo de uma maneira abrupta os gregos submetiam (como muitas outras civilizações antigas) seus jovens a tremendos testes que envolviam dor física e tratamentos desumanos (calma não defendo isso) esses jovens aprendiam que existem limites, e que esses limites são bons porquê sabendo quais são seus limites vc pode empurra-los aos poucos até que virem qualidades. Eu acho descabível o fato de que a violência doméstica exista, não só no Brasil mas em países bem desenvolvidos, mas acho terrivelmente pior uma nação em que uma criança que não queira ir para a escola por preguiça e por não entender o quanto aquilo é importante não possa sofrer alguma coerção de seus pais. Sim devemos mudar paradigmas em toda sociedade, mas não justificando outros que em determinada eram muito mais que aparentavam (o caso do filme da xuxa e que ela e todos que viveram naquela época sabem muito bem o que é e que no futuro saberão mais ainda pois terão uma visão mais distanciada de hoje e de ontem) e que hoje (pois está em voga muito mais uma panaceia cultural sexual fecunda e necessária mais ainda confusa) seja visto com o prisma simplista da pura funcionalidade, da lógica sem consequências ou emprestando do neo-liberalismo a famosa "mão invisível" que já provou ser inexistente no lado financeiro e quiçá no social. Temos de tomar cuidado para não transformarmos liberdade em confiança demasiada existem coisas que realmente ajudam no desenvolvimento humano uma delas é observação ao seu redor e no seu interior (que era defendida por boa parte dos filósofos gregos) e essa introspecção essa reflexão não está sendo ensinada de modo algum nos dias de hoje toma-se tudo como exemplo para comprovar ou descordar ao mesmo tempo de qualquer coisa a caixa de pandora está num fluxo tão grande que é impossível se notar o que real do que é artificial. É bom lembrar que até os anos 80 meados dos anos 90 era cool fumar, quem não fumava não era até aceito nas rodas sociais e no entanto nos dias de hoje quem tem o direito, adultos, de escolher ou não se pode fumar é proibido direta ou indiretamente até porque fuma cigarros de outros tipos (que acho deveriam ser liberados para quebrar o tráfico e evitar o assassinato e prisão de quem é só usuário e não é bandido) ou os homossexuais que são extremamente taxativos em que "não existe bisexualidade". Enquanto o ser humano não observar e refletir de verdade (que é isso que todos os meios de comunicação não querem e a sociedade constituida) seu interior e seu entorno ele não poderá dizer o que é bom ou ruim para ele mesmo e abrir seu espaço e a sociedade só viverá de achismos de opiniões que não são práticas na vida real e que levam nossos jovens cada vez mais para a zona de servidão, que é tudo que a nova leva de senhores do mundo quer (Eles existem e sabem o que estão fazendo) por isso cuidado reflita em suas opiniões poque elas são importantes para quem lê porquê quem te lê sabe o quanto vc é inteligente. Parabéns! Pelo seu trabalho precisamos de mais seres humanos que se provem, ousem falar, ousem desejar um futuro melhor e com mais conteúdo humano.

    ResponderExcluir
  3. Eu publiquei em duas partes, espero que as duas estejam aí, rsss

    ResponderExcluir
  4. faltou a primeira parte que não tenho rss...

    ResponderExcluir

Eu me reservo o direito de não responder perguntas cuja resposta esteja no próprio post. Comentários imbecis e sem embasamento estão sujeitos a ridicularização. Comente por sua conta e risco. Obrigada!