quinta-feira, 20 de agosto de 2015

A cultura da virgindade feminina

Fala-se muito em "virgindade". Quando eu era criança, ouvi muitas vezes que o "correto" seria chegar "virgem" ao casamento. Não demorou muito para topar com as lendas acerca da "virgindade" feminina: "a virgindade é uma membrana na vagina", "o homem consegue perceber se a mulher é virgem ou não", "virgem não pode usar absorvente interno", etc.

Mas afinal, o que é ser "virgem"?

Oficialmente, virgem é qualquer pessoa que não teve relações sexuais. E o que são relações sexuais?

  • Se você fizer sexo oral em alguém, ou seja, se você chupar a genitália de outra pessoa, você estará fazendo sexo? Sim, estará.  
  • Se você receber sexo oral, ou seja, se alguém chupar sua genitália, você estará fazendo sexo? Sim, estará.
  • Se você fizer sexo anal ou vaginal, estará fazendo sexo? Sim, estará.
  • Se você praticar masturbação mútua com alguém, estará fazendo sexo? Sim, estará.


Então por que cargas d'água a gente ouve que a menina "perde" a virgindade com a ruptura do hímen? Quer dizer então que se, na primeira relação, um rapaz penetrar um ânus e não uma vagina, então ele continuará virgem? Um rapaz homossexual então seria virgem para sempre por jamais penetrar uma vagina? 

Acontece que a etimologia da palavra virgem já é relativa à mulher. Segundo texto do site Wikipedia:
 
A palavra virgem tem origem no latim, na forma substantiva virgo, genitivo virgin-is, que significa "mulher jovem" ou "menina". A palavra latina provavelmente surgiu por analogia com um naipe de lexema baseado em vireo, significando "ser verde, fresca ou florescente", principalmente com referência botânico - em particular, virga significando "tira de madeira"

O conceito de virgindade é bastante rígido para as mulheres na maioria das culturas. Entende-se por virgindade a presença do hímen na vagina. Ainda hoje, muitas garotas praticam sexo anal e oral para manter a "virgindade" da vagina, e existe até a possibilidade de restauração do hímen através de cirurgia.

Por causa dessa tão preciosa membrana, evita-se fazer exames em jovens que ainda não fizeram sexo vaginal. Um dos exemplos mais fortes dessa mentalidade é a questão do exame de papanicolau. Então se a mulher nunca fizer sexo vaginal, jamais precisará fazer o exame? Não, isso não é verdade.

Parece que o hímen é algum tipo de oferenda exclusiva para o pênis. Meninas não podem introduzir os dedos na vagina para conhecerem o próprio corpo nem usar sex toys, porque pode romper o hímen. Há medo até de utilizar coletores menstruais e absorventes internos. Ou seja, o hímen só pode ser rompido por um pênis na primeira relação sexual. Qualquer outra possibilidade de ruptura, ainda que seja um procedimento médico, deve ser evitada em nome dessa tradição.

Homens começaram a ficar obcecados com a "virgindade" feminina devido à busca pela certeza de que a mulher não estava grávida de outro homem. Como não era possível ter certeza da paternidade há cinco mil anos, os homens passaram a aprisionar as mulheres, e o hímen passou a ser visto como uma espécie de lacre do corpo feminino. Se nunca foi "usada", ainda está lá. Todo mundo já ouviu alguma história de horror sobre homens que devolveram suas esposas por não terem sangrado na lua de mel. Era como se essas mulheres fossem mercadorias adquiridas com defeito.

Todo esse histórico de obsessão pelo hímen é tão cruel e injusto que não consigo encontrar nada de positivo na cultura da virgindade. Sempre ouço falar sobre homens dispostos a pagar pequenas fortunas pelo hímen duma garota, e minha única conclusão é de que nós somos vistas como um carro, que se for zero vale mais.

Imagem encontrada no site Aum Magic
Nem é verdade que o homem percebe a ruptura do hímen porque é uma membrana super delicada. A maioria deles associa a primeira penetração da vagina duma moça com o sangramento, o que é um tremendo equívoco. Não é toda garota que sangra na primeira penetração, mesmo porque nem sempre o hímen é rompido. Muitas vezes só acontece um alargamento do orifício. Fora que podem ocorrer sangramentos por diversas razões durante a penetração, tanto da vagina como do ânus.

A verdade é que a cobrança da presença do hímen é só mais uma das muitas formas de reprimir a sexualidade feminina, e precisamos nos posicionar contra todas essas tradições estúpidas. Cada mulher precisa ser dona de seu próprio corpo, e isso inclui o hímen. Se ela desejar romper seu hímen durante a masturbação, que possa fazer sua escolha livre de julgamentos. Pessoalmente, acho que a vagina deve ser "treinada" para o sexo vaginal para evitar rupturas brutais e sangramentos. Achar normal que uma menina sinta dor na primeira relação sexual é só mais uma evidência do quanto a maioria das sociedades do mundo são doentes.  

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Eu me reservo o direito de não responder perguntas cuja resposta esteja no próprio post. Comentários imbecis e sem embasamento estão sujeitos a ridicularização. Comente por sua conta e risco. Obrigada!